Os livros e a carreira de Diego Rates no NEXP Podcast

Técnico de Informática, Diego Rates, 22 anos, é um apaixonado por literatura. Inspirado pela obra de Machado de Assis, especialmente “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, escreveu seu primeiro livro “As Últimas Memórias de um Morto-Vivo”. Ele lança agora seu segundo título, “Os Diálogos de Uma Cena de Crime”, e prepara a publicação do inédito “O Homem e a Cópia”.

Escolha seu agregador favorito de podcast e acompanhe com exclusividade. iTunes/Apple | Amazon Music | Google Podcasts | Deezer |  Amazon Music e Breaker, Castbox, Pocket Casts, RadioPublic e no Spotify. Confira mais episódios em nosso página sobre o Podcast.

“Eu sabia qual seria o começo, meio e fim da obra por conta do título que eu escolhi. Decidi deixar a criatividade fluir, decidi conversar com o leitor e contar uma história diferenciada. Tem muitos momentos do meu livro que eu releio e fico espantado com o que eu escrevi”

A conversa do jovem autor Diego Rates, contando sobre suas experiências, carreira, dividir a informática com sua produção como autor, traz reflexões sobre a vida e sua obra Últimas Memórias de um Morto-Vivo.

“O conceito de vida e morte no nosso dia é muito elaborado e  pouco filosófico. A gente não pensa muito sobre o que significa de verdade estar vivo e não sabe de verdade o que significa estar morto. A gente não tem certeza de nada.” – comentou Rates.

Diego Rates contou para Klaus Simões, apresentador do NEXP Podcast, suas pretensões de futuro, a entrevista foi gravada durante a participação do autor na Bienal do Livro de Belo Horizonte. Rates presenteou o NEXP com uma edição de sua obra: Os Diálogos de Uma Cena de Crime, que em breve ganhará uma resenha exclusiva.

 

Inspirado por nomes como Franz Kafka, Dostoievsk e Haruki Murakami, Rates faz de Os Diálogos de Uma Cena de Crime um verdadeiro exercício criativo. Com muita perspicácia, a obra responde questionamentos inerentes do gênero policial como “Quem é o assassino?”, mas alcança o terreno do extraordinário ao elucidar a grande pergunta: “Como as evidências criaram vida?”.

Mesmo lúdica e bem-humorada, a narrativa explora temas relevantes como a ineficiência do sistema policial e a falta de recursos para a investigação e resolução de crimes violentos como os assassinatos. O livro também expõe os padrões de terceirização da culpa para aliviar os criminosos responsáveis.

 

Redes sociais do autor

Site  | Facebook | YouTube | Twitter

Sobre Klaus Simões 327 artigos
Jornalista pela FIAM, Técnico em Comunicação Visual pela Etec de São Paulo, especialista em coberturas de eventos, esportivas e musicais, geek e alternativo. Responsável pelo NEXP Podcast.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*